Conferencias

Colocando a Bênção e a Maldição Diante da Humanidade
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on skype
Share on email
Share on print

Descargas

Traducciones

Reproducir vídeo

Colocando a Bênção e a Maldição Diante da Humanidade

Muito boa noite amáveis amigos e irmãos presentes. É para mim uma bênção grande estar com vocês nesta ocasião, para compartilhar com vocês uns momentos de companheirismo ao redor do Programa Divino correspondente a este tempo final.

Para o qual quero ler no livro de Deuteronômio, capítulo 11, versículo 26 ao 32, e diz da seguinte maneira:

“Eis que hoje eu ponho diante de vós a bênção e a maldição;

A bênção, quando cumprirdes os mandamentos do Senhor vosso Deus, que hoje vos mando;

Porém a maldição, se não cumprirdes os mandamentos do Senhor vosso Deus, e vos desviardes do caminho que hoje vos ordeno, para seguirdes outros deuses que não conhecestes.

E será que, quando o Senhor teu Deus te introduzir na terra, a que vais para possuí-la, então pronunciarás a bênção sobre o monte Gerizim, e a maldição sobre o monte Ebal.

Porventura não estão eles além do Jordão, junto ao caminho do pôr do sol, na terra dos cananeus, que habitam na campina defronte de Gilgal, junto aos carvalhais de Moré?

Porque passareis o Jordão para entrardes a possuir a terra, que vos dá o Senhor vosso Deus; e a possuireis, e nela habitareis.

Tende, pois, cuidado em cumprir todos os estatutos e os juízos, que eu hoje vos proponho.”

“COLOCANDO A BÊNÇÃO E A MALDIÇÃO DIANTE DA HUMANIDADE”, esse é nosso tema para esta ocasião.

O que Deus fez aqui com o povo hebreu, nesta passagem, é o mesmo que Deus fez no Horto do Éden quando estabeleceu o ser humano neste planeta Terra. Deus deu ao ser humano um corpo teofânico da sexta dimensão, e depois o trouxe para esta Terra e deu um corpo físico do pó da terra, e o colocou no Horto do Éden para trabalhar (porque Deus nunca quer preguiçosos em Seu Reino).

E agora, vejamos o que nos diz em Gênesis, capítulo 1, primeiro, versículo 26 ao 27, diz:

“E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança (ou seja, ‘à nossa imagem.’ Isso é o corpo teofânico ou angelical; e ‘à nossa semelhança.’ Isso tem a ver com a semelhança física que o ser humano teria); e domine sobre os peixes do mar (ou seja, para governar sobre os peixes do mar), e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra.

E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.”

Agora, vejam como os criou à imagem de Deus; mas agora, mais adiante, vejam que o Programa era criar o homem conforme à imagem de Deus, e a Sua semelhança; mas agora, quando o cria, o cria a imagem de Deus; isto é: criou-lhe o corpo teofânico da sexta dimensão.

Quando se fala dos extraterrestres, o ser humano deve compreender que é um extraterrestre, o qual foi colocado neste planeta Terra.

Vejam, Adão veio de outra dimensão, da sexta dimensão, onde Deus criou um corpo teofânico, angelical, e depois o trouxe para esta dimensão e deu um corpo do pó da terra. Diz no capítulo 2, versículo 7 em diante — agora passamos à parte da semelhança —, diz:

“E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra (mas já o tinha criado; e agora está formando o corpo de carne do pó da terra, no capítulo 2), e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.

E plantou o Senhor Deus um jardim no Éden, do lado oriental; e pôs ali o homem que tinha formado.

E o Senhor Deus fez brotar da terra toda a árvore agradável à vista, e boa para comida; e a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore do conhecimento do bem e do mal.

Depois… isto foi o capítulo 2, versículo 7 ao 9. E o mesmo capítulo 2, versículo 15 em diante, diz:

“E tomou o Senhor Deus o homem, e o pôs no jardim do Éden para o lavrar e o guardar.

E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente,

Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.

E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.

Havendo, pois, o Senhor Deus formado da terra todo o animal do campo, e toda a ave dos céus, os trouxe a Adão, para este ver como lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome.

E Adão pôs os nomes a todo o gado, e às aves dos céus, e a todo o animal do campo; mas para o homem não se achava ajudadora idônea.

Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas, e cerrou a carne em seu lugar;

E da costela que o Senhor Deus tomou do homem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão.

E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada.

Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.”

Agora vejam como surgiu a raça humana neste planeta Terra.

E agora, Deus no mesmo Jardim do Éden colocou a Árvore da Vida e a árvore do conhecimento do bem e do mal; colocou ali a bênção e a maldição, a vida e a morte. Se comesse da árvore do conhecimento do bem e do mal, o ser humano morreria: “O dia que dela comas, morrerás.” Mas ali também estava a Árvore da Vida.

E agora, estas duas árvores ali tipificam, são tipo e figura de: Cristo (a Árvore da Vida) e o diabo (a árvore do conhecimento do bem e do mal).

Ou seja, que quando diz “árvore do conhecimento do bem e do mal”, esse é o diabo; “árvore da vida”, esse é Cristo. Porque todos sabemos que a Árvore da Vida é nosso amado Senhor Jesus Cristo. E então a outra árvore, a árvore do conhecimento do bem e do mal, a árvore da morte, é o inimigo de Cristo, o diabo.

E agora, vejam vocês como desde o começo do ser humano na Terra, Deus colocou diante dele a bênção e a maldição.

E por que Deus colocou para o ser humano nessa forma? Porque lhe deu livre-arbítrio. Ao dar livre-arbítrio ao ser humano, o ser humano tem a responsabilidade de decidir diante de Deus; e tem que decidir corretamente. Por isso ensinou as consequências de comer da árvore do conhecimento do bem e do mal; e as consequências seriam: morte, morrer. Não poderia viver eternamente o ser humano, se comesse da árvore do conhecimento do bem e do mal.

Agora, o mesmo Deus faz com o povo hebreu, o Israel terreno: Deus coloca diante do povo hebreu a vida e a morte, a bênção e a maldição, e diz ao povo hebreu: “Escolhe a vida, para que vivas tu e a tua descendência.” Porque escolhendo a Vida — que é Deus, que é Cristo — se vive para toda a eternidade.

Quando se escolhe a Vida, a pessoa escuta a Palavra de Deus e faz conforme a Palavra de Deus: entra no Programa Divino.

E agora, Deus ordenou ao profeta Moisés que dissesse ao povo hebreu e a Josué, que ao entrarem na terra prometida se colocassem uns sobre o monte Gerizim e os outros… a metade de uma tribo – 6 tribos no monte Gerizim e as outras 6 tribos no monte Ebal. As do monte Gerizim falariam a bênção, seriam lidas as bênçãos, e o povo diria: “Amém”. Depois leriam as maldições no outro monte, no monte Ebal, e o povo diria: “Amém”, porque estaria de acordo com o que Deus estava colocando diante deles: a vida e a morte, a bênção e a maldição.

Agora, vejamos em Josué, capítulo 8; quando Josué já entrou na terra prometida, ele colocou 6 tribos sobre o monte Gerizim e 6 tribos sobre o monte Ebal. Capítulo 8, versículo 30 em diante, diz:

“Então Josué edificou um altar ao Senhor Deus de Israel, no monte Ebal.

Como Moisés, servo do Senhor, ordenara aos filhos de Israel, conforme ao que está escrito no livro da lei de Moisés, a saber: um altar de pedras inteiras, sobre o qual não se moverá instrumento de ferro; e ofereceram sobre ele holocaustos ao Senhor, e sacrificaram ofertas pacíficas.

Também escreveu ali, em pedras, uma cópia da lei de Moisés, que este havia escrito diante dos filhos de Israel.

E todo o Israel, com os seus anciãos, e os seus príncipes, e os seus juízes, estavam de um e de outro lado da arca, perante os sacerdotes levitas, que levavam a arca da aliança do Senhor, assim estrangeiros como naturais; metade deles em frente do monte Gerizim, e a outra metade em frente do monte Ebal, como Moisés, servo do Senhor, ordenara, para abençoar primeiramente o povo de Israel (vejam, a bênção vem primeiro, a bênção é falada primeiro).

E depois leu em alta voz todas as palavras da lei, a bênção e a maldição, conforme a tudo o que está escrito no livro da lei.

Palavra nenhuma houve, de tudo o que Moisés ordenara, que Josué não lesse perante toda a congregação de Israel, e as mulheres, e os meninos, e os estrangeiros, que andavam no meio deles.”

Aqui podemos ver como Josué, servo de Deus… O qual tinha sido ministro de Moisés, e que recebeu a comissão de levar o povo à terra prometida depois da partida de Moisés…; ou seja, que foi o sucessor de Moisés, Josué.

E agora, conforme Moisés tinha ordenado, fez Josué: foram ao outro lado do Jordão, ao cruzar o Jordão, e se colocaram uns no monte Gerizim (as tribos que Josué ordenou) e as outras seis tribos no monte Ebal. E a arca do pacto estava no meio dessas doze tribos, seis tribos de um lado e seis do outro. E Josué leu, ou ordenou ler, a Lei de Deus dada a Moisés para o povo hebreu; e leram as bênçãos, primeiro, desde o monte Gerizim, e depois que o povo escutou essas bênçãos sendo lidas, disse: “Amém”; e depois foram lidas as maldições do monte Ebal, e o povo disse: “Amém”.

E conforme essas bênçãos e essas maldições que foram lidas, aconteceria com o povo hebreu. Se obedecessem a Deus, caminhando em Sua Palavra, as bênçãos viriam da parte de Deus ao povo hebreu. Se se separavam de Deus e servissem a deuses alheios, então as maldições viriam ao povo hebreu. Por isso vocês podem encontrar o povo hebreu com tantos problemas através da sua história.

Quando se levantava um rei que sua inclinação religiosa era para os ídolos, para as religiões pagãs, então estabelecia ou deixava estabelecer no meio do povo hebreu religiões pagãs, e a idolatria se estabelecia no meio do povo hebreu, e então as maldições de Deus vinham sobre o povo hebreu. Mas quando surgia um rei bom, que amava a Deus, esse rei ordenava tirar todos os ídolos, tudo o que desagradava a Deus, e vinha a bênção de Deus para o povo hebreu. Tão simples assim.

Agora, receber as bênçãos de Deus ou as maldições de Deus é a coisa mais simples. As pessoas recebem as maldições quando se separam de Deus e caminham por sua própria conta. Mas as pessoas recebem as bênçãos de Deus quando se agarram de Deus e escutam a Voz de Deus para o tempo em que vivem, e fazem conforme à Palavra de Deus; as bênçãos de Deus vêm a essas pessoas, a esses povos, a essas nações. Tão simples assim.

Agora, todo ser humano tem livre-arbítrio; por isso é que a Escritura diz: “Se ouvires hoje Sua Voz (ou seja, a Voz de Deus), não endureças teu coração, como fizeram vossos pais no deserto.” Como fez o povo hebreu no deserto, que não quis escutar a Voz de Deus e, consequentemente, a ira de Deus se acendeu sobre o povo hebreu.

Isto está, vejam vocês, em Zacarias, capítulo 7, versículo 11 ao 12, onde nos diz que o povo hebreu não quis escutar Deus, diz:

“Eles, porém, não quiseram escutar, e deram-me o ombro rebelde, e ensurdeceram os seus ouvidos, para que não ouvissem.

Sim, fizeram os seus corações como pedra de diamante, para que não ouvissem a lei, nem as palavras que o Senhor dos Exércitos enviara pelo seu Espírito por intermédio dos primeiros profetas; daí veio a grande ira do Senhor dos Exércitos.”

Aí podemos ver que grande aborrecimento da parte de Deus, ira e maldições divinas caíram sobre o povo hebreu, porque não quiseram escutar a Voz de Deus, as palavras que Deus enviava por meio do Seu Espírito Santo, as quais eram faladas por meio dos profetas; porque Deus falou por meio dos profetas.

E agora, vimos como no meio do povo hebreu se manifestaram as maldições em diferentes tempos, e como também se manifestaram as bênçãos também. manifestaram-se as maldições quando se afastaram de Deus, e se manifestaram as bênçãos quando se aproximaram de Deus e caminharam conforme a Palavra de Deus. Isso mesmo vimos através da raça humana.

E agora, estas situações de guerras, de terremotos, maremotos e todas essas coisas, é a maldição divina caindo sobre a raça humana, porque a raça humana se afastou de Deus. E por quanto cada ser humano tem livre-arbítrio, encontramos que as pessoas (como indivíduos), a maioria, não quiseram servir a Deus conforme Sua Palavra; e as nações (como nações) também não quiseram servir a Deus como devem servir a Deus; e por isso, esses juízos e maldições estiveram vindo sobre as nações; e virão mais, sobre a raça humana: os juízos divinos prometidos para serem derramados durante a grande tribulação.

Agora, não é que Deus não ama os seres humanos; é que Deus deu livre-arbítrio ao ser humano, e colocou diante de si — ao ser humano — a vida e a morte, a bênção e a maldição.

E Deus não obriga nenhuma pessoa. Deus deu livre-arbítrio. E isso significa que Deus revela ao ser humano Seu Caminho, o Caminho Divino, e diz: “Escolhe a vida para que vivas.” Ou seja, o conselho de Deus é escolher a bênção, a vida, para viver eternamente com Deus.

Assim foi no Jardim do Éden: o correto era escolher a Árvore da Vida; mas Adão e Eva escolheram a árvore do conhecimento do bem e do mal, e por isso é que a raça humana caiu da vida eterna. E por mais que busca a vida eterna por meio das descobertas científicos, ainda não pôde descobrir como obter a vida eterna; está buscando o que perdeu. (E dizem que ninguém sabe o que tem até que o perde).

O ser humano perdeu a vida eterna, caiu da vida eterna, porque pecou diante de Deus; escolheu a maldição, a morte, e isso obteve.

E todos os seres humanos, por quanto vêm por meio de Adão, todos foram destituídos da glória de Deus. Isso significa que cada pessoa vem à Terra, mas vem sem vida eterna; ou seja, que nasce neste planeta Terra em um corpo mortal, corruptível e temporário, recebe um espírito do mundo na permissiva vontade de Deus, e vive uma temporada… digamos, 100 anos; alguns chegam a 60, outros a 70; diz a Escritura: “Os mais fortes a 80.” Ou seja, uma pessoa que já chega aos 80 anos é uma pessoa forte, mesmo que seja magra; e daí em diante, tudo o que viva é porque é uma pessoa forte; e por mais que viva, ao final sempre vai morrer.

Vejam, o homem que mais viveu depois da queda do ser humano foi Matusalém, o qual viveu 969 anos, mas ao final morreu. Por quê? Porque a raça humana foi destituída da glória de Deus, perdeu o direito de receber um corpo teofânico da sexta dimensão antes de vir à Terra, e perdeu o direito de receber um corpo eterno para viver nele por toda a eternidade neste planeta Terra; portanto, o que recebe é na permissiva vontade de Deus e é temporário. Temos um corpo mortal, corruptível e temporário.

Assim que o ser humano esteve buscando como viver eternamente; mas olhem, é simples: voltando-se para Deus, recebendo Cristo como seu Salvador, lavando seus pecados no Sangue de Cristo e recebendo Seu Espírito Santo: assim recebe um espírito teofânico da sexta dimensão e é restaurado à glória de Deus; e assim obtém o novo nascimento, do qual Cristo falou com Nicodemos, lhe dizendo : “Em verdade, em verdade te digo, que o que não nasça de novo, não pode ver o Reino de Deus.”

Nicodemos pensou que era nascer por meio de uma mulher, e pensou em sua mãe; e diz a Jesus: “Como se pode fazer isto? Pode o homem, sendo velho, entrar no ventre da sua mãe, e nascer?” E se ele diz: “Pode o homem sendo velho…?” É porque ele já era velho; e se era velho, como seria sua mamãe? Mais velha que ele, ou seja, mais anciã que ele, se estivesse viva; e se tivesse morrido, então para Nicodemos era impossível o novo nascimento, conforme pensava Nicodemos.

Mas Cristo lhe diz: “Em verdade, em verdade te digo, que o que não nasça da Água e do Espírito, não pode entrar no Reino de Deus. O que é nascido da carne, é carne (ou seja, o que é nascido por meio de papai e mamãe, é carne); o que é nascido do Espírito, é espírito.”

E agora, é necessário nascer do Espírito Santo, obter o novo nascimento, obter o Espírito Santo, e assim obter um corpo teofânico da sexta dimensão, para — depois, no Último Dia —, se a pessoa fisicamente morreu, não importa, porque essa pessoa já tem vida eterna, e Cristo disse: “… e eu lhe ressuscitarei no Último Dia.”

E Cristo o ressuscitará no Último Dia, que é o sétimo milênio de Adão para cá, o ressuscitará em um corpo eterno, imortal e incorruptível, criado por Cristo, criado por Deus. E os que vivemos, se permanecermos vivos até que os mortos em Cristo ressuscitem, seremos transformados. E então seremos restaurados à vida eterna física; e assim tudo o que perdeu Adão e Eva será restaurado a nós fisicamente também; e teremos a imortalidade física em um corpo físico, eterno, imortal, incorruptível e glorificado; e assim seremos à imagem e semelhança do nosso amado Senhor Jesus Cristo.

Agora, podemos ver o Programa de Redenção para sermos restaurados à vida eterna, da qual caiu Adão e Eva no JArdim do Éden.

E agora, ;e necessário que o ser humano saiba que Deus colocou diante dele a vida e a morte. Cristo, em São Mateus, capítulo 16, nos diz … Vamos ver o que nos diz nesse capítulo. Capítulo 16, versículo 24 em diante, diz:

“Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me;

Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á.

Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?”

Pode o homem dizer: “Eu tenho muito dinheiro, assim que eu vou pagar pela minha salvação.” Deus não tem esse tipo de negócios com a vida eterna. Deus estabeleceu a vida e a morte diante do ser humano; se a pessoa não escolher a vida eterna quando está vivendo aqui, do que serve ao ser humano ser rico, trabalhar e ganhar muito dinheiro, ou obter uma posição alta na vida terrena? Se não recebeu Cristo como seu Salvador, de nada serviu viver neste planeta Terra.

Do que vale ao homem se ganha todo mundo e perde sua alma? De nada serve viver neste planeta Terra. Passou como a erva e as flores do campo: que vêm aqui à Terra, surgem, estão um tempo e depois desaparecem; e assim é para as pessoas que não se ocuparam da sua salvação, não se ocuparam de buscar primeiro o Reino de Deus e sua justiça. É necessário que o ser humano compreenda que não há nada mais importante para a raça humana que a vida eterna; e essa vida está em Jesus Cristo nosso Salvador.

Cristo disse em São João, capítulo 14, versículo 6: “Eu sou o caminho, a verdade, a vida; e ninguém vem ao Pai, a não ser por mim.” E há pessoas que querem ir a Deus, quando morrerem querem ir ao Céu, ir a Deus, sem ter tomado o Caminho que os leva a Deus, o qual é Jesus Cristo: “… ninguém vem ao Pai, senão por mim.” Disse Jesus Cristo.

Não busque outro caminho. Tome o caminho da vida eterna: Jesus Cristo nosso Salvador. Tome a bênção enquanto vive nesta Terra, para que quando terminarem seus dias nesta Terra, então possa descansar no Paraíso em um corpo imortal, incorruptível, em um corpo teofânico; e quando chegar o momento da ressurreição dos mortos em Cristo, então você seja ressuscitado em um corpo eterno, imortal e incorruptível e glorificado, igual ao corpo de Jesus Cristo nosso Salvador.

Mas se permanece vivo e tomou a bênção de Deus, que é Cristo, tomou e comeu da Árvore da Vida, que é Cristo, será transformado, se permanecer vivo até que ressuscitem os mortos em Cristo; e então terá um corpo eterno, imortal, incorruptível e glorificado, igual ao de Jesus Cristo. Assim é para vocês e assim é para mim. E então seremos a imagem (esse é o corpo teofânico da sexta dimensão, corpo angelical) e semelhança (essa é a parte física), e semelhança do nosso amado Senhor Jesus Cristo. Ou seja, que teremos um corpo angelical da sexta dimensão, e um corpo físico, eterno e glorificado, igual ao corpo de Jesus Cristo.

Essa é a bênção que há em Cristo, a Árvore da Vida. E quando você tomou Cristo, a Árvore da Vida, você tomou a bênção de Deus. E toda pessoa tem livre-arbítrio; e por isso é que se prega o Evangelho, para que a pessoa compreenda a bênção que Deus colocou diante da pessoa para que a pessoa viva por toda a eternidade em um corpo eterno, imortal, incorruptível, igual ao corpo do nosso amado Senhor Jesus Cristo.

Vimos que tudo é simples.

Agora, no livro de Apocalipse, o qual é um livro simbólico (cheio de símbolos)…, e que nesses símbolos contém as profecias das coisas que devem acontecer desde os tempos dos apóstolos até este tempo, e também as coisas que acontecerão durante a grande tribulação, e as coisas que acontecerão no Reino Milenial, e as coisas que acontecerão depois do Reino Milenial até as coisas que acontecerão na eternidade; todo isso está contido neste livro de Apocalipse.

E para poder compreender as coisas que devem acontecer neste tempo final, e todos comermos da Árvore da Vida e assim tomarmos a bênção de Deus, Cristo diz:

“Eu, Jesus, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas Igrejas.” Apocalipse, capítulo 22, versículo 16.

E Apocalipse, capítulo 4, versículo 1, diz, com essa Voz de Trombeta, Cristo diz: “Sobe aqui, e mostrar-te-ei as coisas que depois destas devem acontecer.”

E para cumprir essa promessa subimos à Era da Pedra Angular, que é a era na qual Ele estaria neste tempo final. E é aí, na Era da Pedra Angular, que Ele nos revela todas as coisas que em breve devem acontecer, depois das coisas que já aconteceram em tempos passados.

E como nos revelará todas estas coisas que em breve devem acontecer? Cristo em Apocalipse 22, versículo 6, diz:

“E disse-me o anjo: Estas palavras são fiéis e verdadeiras; e o Senhor, o Deus dos espíritos profetas, enviou o seu anjo, para mostrar aos seus servos as coisas que em breve hão de acontecer.”

Quem enviou? Seu Anjo Mensageiro. Para que? Para mostrar aos Seus servos as coisas que em breve devem acontecer, e assim nos dar a revelação do Último Dia, e obtermos a fé para sermos transformados e levados com Cristo à Ceia das Bodas do Cordeiro.

Esse Anjo Mensageiro revelando todas estas coisas que em breve devem acontecer, é nada menos que o profeta da Dispensação do Reino pregando a Mensagem do Evangelho do Reino, que gira ao redor da Segunda Vinda de Cristo como o Leão da tribo de Judá, como Rei dos reis e Senhor dos senhores em Sua Obra de Reclamação. E Cristo disse que quem recebe ao que Ele envia, recebe Cristo. Ele diz: “A mim recebe. E quem me recebe, recebe ao que me enviou.” Ao Pai.

E agora, Cristo envia Seu Anjo Mensageiro à Sua Igreja neste tempo final, como enviou Seus anjos mensageiros de era em era à Sua Igreja. Para este tempo final envia à Sua Igreja um mensageiro, um profeta mensageiro dispensacional.

É a primeira ocasião em que Jesus Cristo envia um profeta dispensacional; portanto, tem que vir com a Mensagem para uma nova dispensação, para a dispensação à qual ele é o mensageiro enviado da parte de Deus. E a Mensagem para a Dispensação do Reino gira ao redor da Segunda Vinda de Cristo como o Leão da tribo de Judá, como Rei dos reis e Senhor dos senhores em Sua Obra de Reclamação.

Este Anjo Mensageiro nos esclarecerá todos os mistérios do livro de Apocalipse que não foram abertos em eras passadas, e que não foram abertos ou revelados pelo Espírito Santo através do reverendo William Branham. As coisas que foram deixadas sem serem abertas, as abrirá Jesus Cristo em Espírito Santo através do Seu Anjo Mensageiro; Seu Anjo Mensageiro as revelará à Igreja de Jesus Cristo; e assim estaremos escutando — consequentemente — a Grande Voz de Trombeta chamando e juntando os escolhidos neste tempo final. Cristo disse:

“E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os seus escolhidos…” São Mateus, capítulo 24, versículo 31.

E agora, os escolhidos de Deus estarão escutando a Grande Voz de Trombeta do Evangelho do Reino, e estarão assim recebendo a bênção de Deus, antes que caia a maldição dos juízos divinos da grande tribulação sobre a raça humana; porque sempre vem primeiro a bênção.

Quando as pessoas rejeitam a bênção, o que vem depois é a maldição, o juízo divino; mas os que recebem a bênção, depois, quando vier a maldição, não vem para eles, vem para os que nos tinham recebido a bênção.

Assim sendo que Deus coloca a bênção e a maldição diante da humanidade, tomamos a bênção, ficamos com a bênção de Deus, amando ao nosso Deus com toda nossa alma, servindo ao nosso Deus, a Jesus Cristo, com todo nosso coração, caminhando em Seu caminho de vida eterna todos os dias da nossa vida; e quando vier a maldição dos juízos da grande tribulação, as pragas sobre a Terra, Cristo ressuscite os mortos crentes n’Ele, e a nós nos transformará, e nos levará à Casa do nosso Pai celestial, à Ceia das Bodas do Cordeiro. Por quê? Porque tomamos a bênção de Deus.

Portanto, quando Deus estiver derramando a maldição da grande tribulação sobre a raça humana: não estaremos aqui; estaremos na Casa do nosso Pai celestial com nosso amado Senhor Jesus Cristo; e isso é mais bênção para cada um de nós.

Agora, DEUS COLOCANDO A BÊNÇÃO E A MALDIÇÃO DIANTE DA HUMANIDADE. Isso é o que vimos através da Escritura, desde Gênesis até Apocalipse.

Vejam, no livro de Gênesis se fala do Livro… – da Árvore da Vida. E sabem em que outro livro se fala da Árvore da Vida? No último livro da Bíblia. Assim no primeiro livro da Bíblia se fala da Árvore da Vida, e no último livro da Bíblia — o Apocalipse — se fala da Árvore da Vida.

Em Gênesis se fala três vezes da Árvore da Vida, se menciona três vezes a Árvore da Vida, e em Apocalipse se menciona três vezes a Árvore da Vida. E a Árvore da Vida em Gênesis era para comer d’Ele. E em Apocalipse, vamos ver para o que é. Apocalipse, capítulo 2, versículo 7, diz:

“Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus.”

Assim que a pessoa tem que vencer, tem que fazer sua escolha correta, tem que tomar a bênção de Deus.

E agora, no capítulo 22 de Apocalipse também nos fala da Árvore da Vida; e nos diz no capítulo 22, versículo 1 em diante; diz:

“E mostrou-me o rio puro da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro.

No meio da sua praça, e de um e de outro lado do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a saúde das nações.

E ali nunca mais haverá maldição…”

Veem que quando se toma a bênção, já a maldição é eliminada para a pessoa?

E não haverá mais maldição na Nova Jerusalém, depois do Reino Milenial. Depois do Reino Milenial, já na eternidade, não haverá mais maldição. Por quê? Porque somente estarão vivendo na eternidade os que tomaram a bênção de Deus; portanto, não haverá maldição mas bênção de Deus. Aí vimos a segunda ocasião que no livro de Apocalipse é mencionado a Árvore da Vida.

E em Apocalipse 22, versículo 12 em diante, diz:

“E, eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra.

Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro.

Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida (os que lavam suas roupas no Sangue do Cordeiro, de Jesus Cristo, têm direito à Árvore da Vida), e possam entrar na cidade pelas portas (para entrar pelas portas da Nova Jerusalém).

Vimos este mistério da bênção e a maldição. A bênção está em Cristo, a Árvore da Vida. E é necessário que todo ser humano tome a bênção de Deus: Cristo nosso Salvador, para que viva por toda a eternidade.

A batalha do ser humano não é outra mas a batalha pela vida eterna; é a batalha da fé, a batalha da fé para lançar mão da vida eterna. Assim que na batalha da fé, coloque sua fé em Jesus Cristo nosso Salvador, e assim lance mão de Jesus Cristo, a vida eterna, para que viva por toda a eternidade.

Para este tempo final, Cristo envia à Sua Igreja Seu Anjo Mensageiro para dar testemunho de todas estas coisas que em breve devem acontecer, neste planeta Terra, para assim que todos os filhos e filhas de Deus conheçam o Programa de Deus correspondente a este tempo final, e sejam preparados para serem transformados e levados com Cristo à Ceia das Bodas do Cordeiro no Céu, onde estão nos esperando; pois há um convite, fomos convidados; isso é um convite da parte de Deus. E são bem-aventurados os que são convidados a esta Grande Ceia, diz o Anjo do Senhor Jesus Cristo a João o apóstolo no capítulo 19, versículo 7 em diante; diz [Apocalipse]:

“Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou.

E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos.

E disse-me: Escreve: Bem aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E disse-me: Estas são as verdadeiras palavras de Deus.”

Aqui podemos ver que é uma bem-aventurança ser chamado à Ceia das Bodas do Cordeiro. E toda pessoa que tomou a bênção é uma pessoa que foi chamada para ir à Ceia das Bodas do Cordeiro.

Se seu corpo físico morreu, Cristo o ressuscitará para levá-lo à Casa do nosso Pai celestial, à Ceia das Bodas do Cordeiro; mas se permanecer vivo até que ressuscitem os mortos em Cristo, pois seremos transformados, para irmos à Ceia das Bodas do Cordeiro com um corpo eterno, imortal, incorruptível e glorificado, igual ao corpo do nosso amado Senhor Jesus Cristo.

Porque para ir à Casa do nosso Pai celestial, que é a sétima dimensão, ainda não prepararam nem aviões nem foguetes; portanto, necessitamos um corpo interdimensional: esse é o corpo glorificado que Cristo tem, e essa é o mesmo tipo de corpo que Ele nos dará quando nos transformar, os que vivemos, e quando ressuscitar os mortos em Cristo; esse é um corpo eterno, com vida eterna, para viver nele por toda a eternidade jovenzinhos, representando sempre de 18 a 21 anos de idade.

Agora, vale a pena ou não vale a pena tomar a vida eterna? Claro que vale a pena!

E agora, por quanto temos o livre-arbítrio, corresponde a cada pessoa lançar mão da vida eterna, tomar a bênção de Deus. E eu tomei a bênção de Deus. E quem mais tomou a bênção de Deus? Vocês também; portanto, iremos a uma grande festa no Céu: a Ceia das Bodas do Cordeiro.

Sempre que colocam diante de uma pessoa, ou de uma criança, duas coisas: uma boa e uma má, a criança inteligente, a criança esperta, o que toma? A boa. E Deus colocou, pôs diante da raça humana, a bênção e a maldição; a bênção é o bom, a maldição é o que é mau para o ser humano.

E cada pessoa que ama a Deus e ama a vida eterna, pois escolhe a bênção, a bênção de Deus, para viver com Cristo, com Deus, por toda a eternidade. Não escolhe a maldição; porque se escolher a maldição, todas as maldições escritas na Bíblia virão sobre a pessoa e irá ao inferno, e lá estará com o inimigo de Deus, o diabo.

Assim que vejam, quem escolhe a maldição, para onde vai? Para o maligno, fazer companhia ao maligno; mas quem escolhe a bênção: vai à Casa do nosso Pai celestial com Cristo, para viver por toda a eternidade.

Foi para mim um privilégio grande estar com vocês nesta noite, lhes dando testemunho da bênção e a maldição colocada diante da humanidade; porque Deus põe diante da raça humana, diante da humanidade, a bênção e a maldição. E diz: “Escolhe a bênção, escolhe a vida, para que vivas tu e tua família, teus filhos.”

Deus nos ensina, nos dá o conselho, de que escolhamos a bênção para vivermos eternamente, pois Ele quer que vivamos eternamente; como Deus é eterno Ele quer que nós também sejamos eternos.

Que as bênçãos do nosso amado Senhor Jesus Cristo sejam sobre todos vocês e sobre mim também, e se materializem em cada um de vocês e em mim também todas as bênçãos faladas na Bíblia; e em breve se complete o número dos escolhidos de Deus, e em breve os mortos em Cristo ressuscitem, e nós os que vivemos sejamos transformados; e sejamos todos levados à Casa do nosso Pai celestial, à Ceia das Bodas do Cordeiro no Céu. No Nome Eterno do Senhor Jesus Cristo. Amém e amém.

Deus os abençoe e guarde a todos.

“COLOCANDO A BÊNÇÃO E A MALDIÇÃO DIANTE DA HUMANIDADE”.

[Revisão maio 2021]

Ir arriba